mz.blackmilkmag.com
Novas receitas

Os sommeliers mais improváveis ​​do mundo do vinho?

Os sommeliers mais improváveis ​​do mundo do vinho?


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.


No início deste ano, a redatora-editora Erica Platter - a editora, mais recentemente, de Meu tipo de vinho por John Platter - viajou pela Cidade do Cabo e arredores para relatar o fato fascinante de que um grupo de jovens de vizinho Zimbabwe, muitos dos quais nunca haviam experimentado álcool na vida, estavam se tornando alguns dos sommeliers mais respeitados da África do Sul. O premiado escritor inglês de vinhos Jancis Robinson e seu marido, o famoso crítico gastronômico Nick Lander, já haviam observado o mesmo fenômeno, e Robinson publicou o relatório de Platter em seu excelente site, www.jancisrobinson.com. É reimpresso aqui, em uma forma ligeiramente diferente, com a gentil permissão de Robinson.

É uma história quase tão improvável quanto a da equipe olímpica de trenó da Jamaica: jovens zimbabuanos deixando seu país ("as coisas estavam ruins") e, depois de muitas dificuldades, se reinventando em um campo totalmente estrangeiro, como campeões do vinho, membros do crème de la crème dos sommeliers da África do Sul. Eles agora estão tendo um desempenho tão brilhante que executam as listas e aconselham os clientes em muitos de nossos restaurantes mais famosos.

Aqui, apresento quatro membros da "equipe", como eles se autodenominam. Mas '"Para cada um de nós existem cinco outros", diz Tinashe Nyamudoka, Sr. Wine em A cozinha de teste, em cidade do Cabo, o único restaurante sul-africano em os 50 melhores do mundo de S. Pellegrino. “É como uma teia de aranha”, diz Marlvin Gwese, sommelier chefe do elegante Cape Grace Hotel em Cape Town's Waterfront. Melusi Magodhi, cuja lista na Cidade do Cabo glamourosa Ellerman House combina com a arquitetura espetacular da adega, confirma que "Se você encontrar o seu homeboy, vocês cuidam muito bem uns dos outros." Eles pertencem ao seu próprio grupo do WhatsApp e costumam enviar mensagens durante o serviço para pedir conselhos. O organizador-chefe Tongai Joseph Dhafana, sommelier do restaurante sul-africano cinco na Cidade do Cabo La Colombe, resume: "Nós nos ajudamos a subir escadas."

E esses quatro não estão sozinhos. Outros supersommas do Zimbábue incluem o Sommelier do Ano de 2015 da África do Sul Lloyd Jusa em O saxão em Joanesburgo e, na Cidade do Cabo, Pardon Tagazu em Beringela e Gregory Mutambe em The 12 Apostles Hotel. E há muito mais.

Por que os exilados do Zimbábue brilharam tanto neste campo? Entre as respostas a essa pergunta dada por membros da "equipe" estão: "Nós agarramos as oportunidades e as usamos;" "Somos bons em hospitalidade;" "Temos um dom natural, uma memória para sabores" (eles costumam usar frutas e bagas indígenas como "marcadores" em suas mentes quando identificam variedades de uvas); mas, acima de tudo, "Gostamos de vinho!"

Sendo o desemprego um grande problema entre os jovens sul-africanos, essas "importações" do Zimbábue encontram ressentimento; acusações de que estão tirando empregos de moradores locais, xenofobia? Nyamudoka pondera a questão e, em seguida, articula para a equipe: "Estamos andando na grama dos outros? Já ultrapassamos essa fase há muito tempo. Há uma trajetória e um caminho. Fomos aceitos por quem somos. Não há culpa. Era um campo branco. Eles o protegiam. Tivemos que invadir. Agora, se eu for bem, meus irmãos vão bem ... "Magodhi acrescenta:" A culinária mudou. Há novos chefs, uma nova geração de enólogos e sommeliers. É tudo uma questão de sangue novo! "


Como obter o máximo do seu sommelier

PLOT TWIST: Não sou sommelier. Eu sei, todo mundo presume que eu sou ou era porque eu escrevo sobre vinho para viver, mas não. Mas isso não quer dizer que eu seja anti-somm. Eu sou 100 por cento anti-elitista-vinho-besteira, mas os dias de sommeliers corrigindo sua pronúncia de Borgonha com uma risada maliciosa ou tentando vendê-lo em um troféu absurdamente caro são na maioria das vezes atrás de nós. Existem esnobes em todos os setores, então não posso prometer que você nunca vai conseguir um desses. A boa notícia é que a maioria dos sommeliers são pessoas totalmente legais que só querem te ajudar a escolher uma boa garrafa de vinho.

Isso não significa que falar com um sommelier seja fácil. Até eu fico nervosa às vezes, quando o sommelier está em cima de mim e eu acabo com uma mistura vermelha aleatória de carvalho porque murmurei "Eu amo Arbois" e soou como "Eu amo armários". Mas não tem que ser assim. Com um pouco de confiança e conversa, um breve encontro com um sommelier pode levar a uma garrafa que você adora - e a aprender algo novo também.

Martin Ho é um dos grandes sommeliers do mundo. Totalmente autodidata, Ho trabalhou como sommelier e gerente geral na Kødbyens Fiskebar em Copenhagen, bem como no Roseval e Tondo de Paris (agora fechado). O conhecimento de Ho sobre o vinho só é rivalizado por sua curiosidade, o que o mantém sempre aprendendo, sendo humilde e relacionável com seus clientes. Adicione uma atitude positiva e um amor pelo vinho natural, e não há mais ninguém com quem gostaríamos de conversar.

Marissa Ross: Sommeliers podem ser intimidantes. Algum bom quebra-gelo ou palavras de sabedoria para acabar com a ansiedade?

Martin Ho: Eu acho um clássico: ‘Olá, gostaria de saber se você poderia nos ajudar a encontrar um vinho para esta noite?’ Ou ‘Estamos procurando um tinto / branco / rosé / (qualquer que seja) para esta noite. Vocês podem me ajudar a encontrar um vinho?

Acho muito importante lembrar que embora haja um fator de intimidação pelo fato de um sommelier poder ter muito mais conhecimento do que você, no final do dia o trabalho de um bom sommelier é não menosprezar você ou vender o mais caro vinho possível, mas para encontrar um vinho que você quer para beber.

Ao escolher uma garrafa, o que é mais importante: gosto pessoal ou a culinária do restaurante?

GOSTO ABSOLUTAMENTE SEMPRE PESSOAL. PERÍODO.

Costumo receber perguntas como: O que há de bom no menu? Ou o que seria vocês bebida? Embora essas sejam perguntas muito charmosas, o vinho é extremamente subjetivo, e se você escolher cegamente a escolha do sommelier, você deve estar pronto para ter a mente aberta, caso contrário, você pode se dar mal.

Também é importante lembrar que combinar vinho com comida é um aspecto muito pequeno do prazer de beber vinho. Embora o vinho possa melhorar a experiência alimentar, ele também tem o mesmo peso em desvalorizar e arruinar a experiência.

Ninguém gosta de falar de dinheiro, mas não é essencial escolher uma garrafa? Alguma dica furtiva sobre como deixar um sommelier saber seu preço sem admitir na frente do seu par que você está quase falido?

Uma boa maneira sorrateira de fazer isso é pedir cerca de 3-4 garrafas de vinho da lista na faixa de preço que você está procurando e, em seguida, apontar para os vinhos sobre os quais está perguntando - mas apontar para o preço - e pedir “algo semelhante.” Ajuda fazer contato visual com o sommelier aqui. Um bom sommelier deve entender e ser um bom companheiro / mulher sem traí-lo.

Brincadeiras à parte, um bom sommelier sempre pedirá uma faixa de preço. Se a pergunta não for feita, seja proativo e sempre honesto e direto. Você realmente não precisa ser sorrateiro sobre isso.

Além disso, se seu par não gosta de você quando você está sem dinheiro, seu par com certeza não o merece quando você receber seu pagamento. Apenas dizendo.

Então, decidimos por uma garrafa, ou entre algumas opções. Que perguntas devo fazer para aprender mais sobre eles?

Minha abordagem pessoal com relação ao vinho é mais holística do que qualquer outra coisa. A única coisa que gosto mais, e que mais me ajuda a entender o vinho, é a história por trás das uvas e a pessoa por trás do vinho. Cada enólogo tem uma personalidade e faço o meu melhor para conhecê-los e conhecê-los. Tendo tido o luxo de ser da Europa e de ter trabalhado na França por 5 anos, você tem a chance de estar próximo e pessoal de muitos dos pequenos produtores de vinho. Na maioria das vezes, suas personalidades e filosofias são transferidas absolutamente para o produto final.

Saiba mais sobre vinhos de contato direto (também conhecidos como vinhos de laranja) aqui.

Quais são as suas perguntas favoritas dos clientes?

Todas as perguntas são ótimas. Eu realmente gosto de pessoas curiosas e dispostas a aprender. Qual é a diferença entre vinho branco e tinto? O que é "vinho de laranja"? O que o torna natural? Por que natural em vez de convencional? Eu amo discussões como essa. Acho que é importante para nós, sommeliers, agirmos como conduítes, guias ou tradutores, em vez de sermos percebidos como essa força de trabalho esnobe e rabugenta que está lá para rebaixá-lo. Podemos não saber tudo, mas faremos o possível para ajudá-lo.

Que perguntas você gostaria que mais clientes fizessem?

'Oi! Desculpe-me, na verdade não gostamos muito deste vinho, se importa se mudarmos para outra coisa?

Isso acontece com muita frequência. Ou os convidados cegos pedem uma garrafa de vinho e não gostam, ou eu recomendo um vinho que eles não gostam. Acontece. Mas o que sempre tento enfatizar, tanto para os funcionários quanto para os hóspedes, é que a vida é muito curta para sentar e jantar com um vinho que você não tem vontade de beber.

Tento abordar os convidados quando percebo que eles bebem devagar ou parece que não estão gostando, mas mesmo assim, é difícil para um cliente sentir que está fazendo uma reclamação que não quer incomodar. Mas um bom sommelier não julgará. Um bom sommelier vai entender.

Não há perguntas estúpidas, mas qual é a sua menos favorita?

_ Qual é o seu vinho favorito? _ Mesmo se eu tentasse, eu honestamente não poderia responder a isso.

Você deveria perguntar ao sommelier sobre seu signo astrológico, ou não?

Por que não? Gosto de uma boa conversa tanto quanto qualquer pessoa. Se parece certo e você está interessado, por que não?


Como obter o máximo do seu sommelier

PLOT TWIST: Não sou sommelier. Eu sei, todo mundo presume que eu sou ou era porque eu escrevo sobre vinho para viver, mas não. Mas isso não quer dizer que eu seja anti-somm. Eu sou 100 por cento anti-elitista-vinho-besteira, mas os dias de sommeliers corrigindo sua pronúncia de Borgonha com uma risada maliciosa ou tentando vender um troféu absurdamente caro para Cabernet são na maioria das vezes atrás de nós. Existem esnobes em todos os setores, então não posso prometer que você nunca vai conseguir um desses. A boa notícia é que a maioria dos sommeliers são pessoas totalmente legais que só querem te ajudar a escolher uma boa garrafa de vinho.

Isso não significa que falar com um sommelier seja fácil. Até eu fico nervosa às vezes, quando o sommelier está de pé em cima de mim e eu acabo com uma mistura vermelha aleatória de carvalho porque murmurei “Eu amo Arbois” e soou como “Eu amo armários”. Mas não tem que ser assim. Com um pouco de confiança e conversa, um breve encontro com um sommelier pode levar a uma garrafa que você adora - e a aprender algo novo também.

Martin Ho é um dos grandes sommeliers do mundo. Totalmente autodidata, Ho trabalhou como sommelier e gerente geral na Kødbyens Fiskebar em Copenhagen, bem como no Roseval e Tondo de Paris (agora fechado). O conhecimento de Ho sobre o vinho só é rivalizado por sua curiosidade, o que o mantém sempre aprendendo, sendo humilde e relacionável com seus clientes. Adicione uma atitude positiva e um amor pelo vinho natural, e não há mais ninguém com quem gostaríamos de conversar.

Marissa Ross: Sommeliers podem ser intimidantes. Algum bom quebra-gelo ou palavras de sabedoria para acabar com a ansiedade?

Martin Ho: Eu acho um clássico: ‘Olá, gostaria de saber se você poderia nos ajudar a encontrar um vinho para esta noite?’ Ou ‘Estamos procurando um tinto / branco / rosé / (qualquer) para esta noite. Vocês podem me ajudar a encontrar um vinho?

Acho muito importante lembrar que embora haja um fator de intimidação pelo fato de um sommelier poder ter muito mais conhecimento do que você, no final do dia o trabalho de um bom sommelier é não menosprezar você ou vender o mais caro vinho possível, mas para encontrar um vinho que você quer para beber.

Ao escolher uma garrafa, o que é mais importante: gosto pessoal ou a culinária do restaurante?

GOSTO ABSOLUTAMENTE SEMPRE PESSOAL. PERÍODO.

Costumo receber perguntas como: O que há de bom no menu? Ou o que seria vocês bebida? Embora essas sejam perguntas muito charmosas, o vinho é extremamente subjetivo, e se você escolher cegamente a escolha do sommelier, você deve estar pronto para ter a mente aberta, caso contrário, você pode se dar mal.

Também é importante lembrar que combinar vinho com comida é um aspecto muito pequeno do prazer de beber vinho. Embora o vinho possa melhorar a experiência alimentar, ele também tem o mesmo peso em desvalorizar e arruinar a experiência.

Ninguém gosta de falar de dinheiro, mas não é essencial escolher uma garrafa? Alguma dica furtiva sobre como deixar um sommelier saber seu preço sem admitir na frente do seu par que você está quase falido?

Uma boa maneira sorrateira de fazer isso é perguntar sobre 3-4 garrafas de vinho da lista na faixa de preço que você está procurando e, em seguida, apontar para os vinhos sobre os quais está perguntando - mas apontar para o preço - e pedir “algo semelhante.” Ajuda fazer contato visual com o sommelier aqui. Um bom sommelier deve entender e ser um bom companheiro / mulher sem traí-lo.

Brincadeiras à parte, um bom sommelier sempre pedirá uma faixa de preço. Se a pergunta não for feita, seja proativo e sempre honesto e direto. Você realmente não precisa ser sorrateiro sobre isso.

Além disso, se seu namorado não gosta de você quando você está sem dinheiro, seu namorado com certeza não o merece quando você receber seu pagamento. Apenas dizendo.

Então, decidimos por uma garrafa, ou entre algumas opções. Que perguntas devo fazer para aprender mais sobre eles?

Minha abordagem pessoal com relação ao vinho é mais holística do que qualquer outra coisa. A única coisa que gosto mais, e que mais me ajuda a entender o vinho, é a história por trás das uvas e a pessoa por trás do vinho. Cada enólogo tem uma personalidade e faço o meu melhor para conhecê-los e conhecê-los. Tendo tido o luxo de ser da Europa e de ter trabalhado na França por 5 anos, você tem a chance de ser próximo e pessoal de muitos dos pequenos produtores de vinho. Na maioria das vezes, suas personalidades e filosofias são transferidas absolutamente para o produto final.

Saiba mais sobre vinhos de contato direto (também conhecidos como vinhos de laranja) aqui.

Quais são as suas perguntas favoritas dos clientes?

Todas as perguntas são ótimas. Eu realmente gosto de pessoas curiosas e dispostas a aprender. Qual é a diferença entre o vinho branco e o tinto? O que é "vinho de laranja"? O que o torna natural? Por que natural em vez de convencional? Eu amo discussões como essa. Acho que é importante para nós, sommeliers, agirmos como conduítes, guias ou tradutores, em vez de sermos percebidos como essa força de trabalho esnobe e rabugenta que está lá para rebaixá-lo. Podemos não saber tudo, mas faremos o possível para ajudá-lo.

Que perguntas você gostaria que mais clientes fizessem?

'Oi! Desculpe-me, na verdade não gostamos muito deste vinho, se importa se mudarmos para outra coisa?

Isso acontece com muita frequência. Ou os convidados cegos pedem uma garrafa de vinho e não gostam, ou eu recomendo um vinho que eles não gostam. Acontece. Mas o que sempre tento enfatizar, tanto para os funcionários quanto para os hóspedes, é que a vida é muito curta para sentar e jantar com um vinho que você não tem vontade de beber.

Tento abordar os convidados quando percebo que eles bebem devagar ou parece que não estão gostando, mas mesmo assim, é difícil para um cliente sentir que está fazendo uma reclamação que não quer incomodar. Mas um bom sommelier não julgará. Um bom sommelier vai entender.

Não há perguntas estúpidas, mas qual é a sua menos favorita?

_ Qual é o seu vinho favorito? _ Mesmo se eu tentasse, eu honestamente não poderia responder a isso.

Você deveria perguntar ao sommelier sobre seu signo astrológico, ou não?

Por que não? Gosto de uma boa conversa tanto quanto qualquer pessoa. Se parece certo e você está interessado, por que não?


Como obter o máximo do seu sommelier

PLOT TWIST: Não sou sommelier. Eu sei, todo mundo presume que eu sou ou era porque eu escrevo sobre vinho para viver, mas não. Mas isso não quer dizer que eu seja anti-somm. Eu sou 100 por cento anti-elitista-vinho-besteira, mas os dias de sommeliers corrigindo sua pronúncia de Borgonha com uma risada maliciosa ou tentando vendê-lo em um troféu absurdamente caro são na maioria das vezes atrás de nós. Existem esnobes em todos os setores, então não posso prometer que você nunca vai conseguir um desses. A boa notícia é que a maioria dos sommeliers são pessoas totalmente legais que só querem te ajudar a escolher uma boa garrafa de vinho.

Isso não significa que falar com um sommelier seja fácil. Até eu fico nervosa às vezes, quando o sommelier está em cima de mim e eu acabo com uma mistura vermelha aleatória de carvalho porque murmurei "Eu amo Arbois" e soou como "Eu amo armários". Mas não tem que ser assim. Com um pouco de confiança e conversa, um breve encontro com um sommelier pode levar a uma garrafa que você adora - e a aprender algo novo também.

Martin Ho é um dos grandes sommeliers do mundo. Totalmente autodidata, Ho trabalhou como sommelier e gerente geral na Kødbyens Fiskebar em Copenhagen, bem como no Roseval e Tondo de Paris (agora fechado). O conhecimento de Ho sobre o vinho só é rivalizado por sua curiosidade, o que o mantém sempre aprendendo, sendo humilde e relacionável com seus clientes. Adicione uma atitude positiva e um amor pelo vinho natural, e não há mais ninguém com quem gostaríamos de conversar.

Marissa Ross: Sommeliers podem ser intimidantes. Algum bom quebra-gelo ou palavras de sabedoria para acabar com a ansiedade?

Martin Ho: Eu acho um clássico: ‘Olá, gostaria de saber se você poderia nos ajudar a encontrar um vinho para esta noite?’ Ou ‘Estamos procurando um tinto / branco / rosé / (qualquer que seja) para esta noite. Vocês podem me ajudar a encontrar um vinho?

Acho muito importante lembrar que embora haja um fator de intimidação pelo fato de um sommelier poder ter muito mais conhecimento do que você, no final do dia o trabalho de um bom sommelier é não menosprezar você ou vender o mais caro vinho possível, mas para encontrar um vinho que você quer para beber.

Ao escolher uma garrafa, o que é mais importante: gosto pessoal ou a culinária do restaurante?

GOSTO ABSOLUTAMENTE SEMPRE PESSOAL. PERÍODO.

Costumo receber perguntas como: O que há de bom no menu? Ou o que seria vocês bebida? Embora essas sejam perguntas muito charmosas, o vinho é extremamente subjetivo, e se você escolher cegamente a escolha do sommelier, você deve estar pronto para ter a mente aberta, caso contrário, você pode se dar mal.

Também é importante lembrar que combinar vinho com comida é um aspecto muito pequeno do prazer de beber vinho. Embora o vinho possa melhorar a experiência alimentar, ele também tem o mesmo peso em desvalorizar e arruinar a experiência.

Ninguém gosta de falar de dinheiro, mas não é essencial escolher uma garrafa? Alguma dica furtiva sobre como deixar um sommelier saber seu preço sem admitir na frente do seu par que você está quase sem dinheiro?

Uma boa maneira sorrateira de fazer isso é pedir cerca de 3-4 garrafas de vinho da lista na faixa de preço que você está procurando e, em seguida, apontar para os vinhos sobre os quais está perguntando - mas apontar para o preço - e pedir “algo semelhante.” Ajuda fazer contato visual com o sommelier aqui. Um bom sommelier deve entender e ser um bom companheiro / mulher sem traí-lo.

Brincadeiras à parte, um bom sommelier sempre pedirá uma faixa de preço. Se a pergunta não for feita, seja proativo e sempre honesto e direto. Você realmente não precisa ser sorrateiro sobre isso.

Além disso, se seu namorado não gosta de você quando você está sem dinheiro, seu namorado com certeza não o merece quando você receber seu pagamento. Apenas dizendo.

Então, decidimos por uma garrafa, ou entre algumas opções. Que perguntas devo fazer para aprender mais sobre eles?

Minha abordagem pessoal com relação ao vinho é mais holística do que qualquer outra coisa. A única coisa que gosto mais, e que mais me ajuda a entender o vinho, é a história por trás das uvas e a pessoa por trás do vinho. Cada enólogo tem uma personalidade e faço o meu melhor para conhecê-los e conhecê-los. Tendo tido o luxo de ser da Europa e de ter trabalhado na França por 5 anos, você tem a chance de ser próximo e pessoal de muitos dos pequenos produtores de vinho. Na maioria das vezes, suas personalidades e filosofias são transferidas absolutamente para o produto final.

Saiba mais sobre vinhos de contato direto (também conhecidos como vinhos de laranja) aqui.

Quais são as suas perguntas favoritas dos clientes?

Todas as perguntas são ótimas. Eu realmente gosto de pessoas curiosas e dispostas a aprender. Qual é a diferença entre o vinho branco e o tinto? O que é "vinho de laranja"? O que o torna natural? Por que natural em vez de convencional? Eu amo discussões como essa. Acho que é importante para nós, sommeliers, agirmos como conduítes, guias ou tradutores, em vez de sermos percebidos como essa força de trabalho esnobe e rabugenta que está lá para rebaixá-lo. Podemos não saber tudo, mas faremos o possível para ajudá-lo.

Que perguntas você gostaria que mais clientes fizessem?

'Oi! Desculpe-me, na verdade não gostamos muito deste vinho, se importa se mudarmos para outra coisa?

Isso acontece com muita frequência. Ou os convidados cegos pedem uma garrafa de vinho e não gostam, ou eu recomendo um vinho que eles não gostam. Acontece. Mas o que sempre tento enfatizar, tanto para os funcionários quanto para os hóspedes, é que a vida é muito curta para sentar e jantar com um vinho que você não tem vontade de beber.

Tento abordar os convidados quando percebo que eles bebem devagar ou parece que não estão gostando, mas mesmo assim, é difícil para um cliente sentir que está fazendo uma reclamação que não quer incomodar. Mas um bom sommelier não julgará. Um bom sommelier vai entender.

Não há perguntas estúpidas, mas qual é a sua menos favorita?

_ Qual é o seu vinho favorito? _ Mesmo se eu tentasse, eu honestamente não poderia responder a isso.

Você deveria perguntar ao sommelier sobre seu signo astrológico, ou não?

Por que não? Gosto de uma boa conversa tanto quanto qualquer pessoa. Se parece certo e você está interessado, por que não?


Como obter o máximo do seu sommelier

PLOT TWIST: Não sou sommelier. Eu sei, todo mundo presume que eu sou ou era porque eu escrevo sobre vinho para viver, mas não. Mas isso não quer dizer que eu seja anti-somm. Eu sou 100 por cento anti-elitista-vinho-besteira, mas os dias de sommeliers corrigindo sua pronúncia de Borgonha com uma risada maliciosa ou tentando vender um troféu absurdamente caro para Cabernet são na maioria das vezes atrás de nós. Existem esnobes em todos os setores, então não posso prometer que você nunca vai conseguir um desses. A boa notícia é que a maioria dos sommeliers são pessoas totalmente legais que só querem te ajudar a escolher uma boa garrafa de vinho.

Isso não significa que falar com um sommelier seja fácil. Até eu fico nervosa às vezes, quando o sommelier está em cima de mim e eu acabo com uma mistura vermelha aleatória de carvalho porque murmurei "Eu amo Arbois" e soou como "Eu amo armários". Mas não tem que ser assim. Com um pouco de confiança e conversa, um breve encontro com um sommelier pode levar a uma garrafa que você adora - e a aprender algo novo também.

Martin Ho é um dos grandes sommeliers do mundo. Totalmente autodidata, Ho trabalhou como sommelier e gerente geral na Kødbyens Fiskebar em Copenhagen, bem como no Roseval e Tondo de Paris (agora fechado). O conhecimento de Ho sobre o vinho só é rivalizado por sua curiosidade, o que o mantém sempre aprendendo, sendo humilde e relacionável com seus clientes. Adicione uma atitude positiva e um amor pelo vinho natural, e não há mais ninguém com quem gostaríamos de conversar.

Marissa Ross: Sommeliers podem ser intimidantes. Algum bom quebra-gelo ou palavras de sabedoria para acabar com a ansiedade?

Martin Ho: Eu acho um clássico: ‘Olá, gostaria de saber se você poderia nos ajudar a encontrar um vinho para esta noite?’ Ou ‘Estamos procurando um tinto / branco / rosé / (qualquer que seja) para esta noite. Vocês podem me ajudar a encontrar um vinho?

Acho muito importante lembrar que embora haja um fator de intimidação pelo fato de um sommelier poder ter muito mais conhecimento do que você, no final do dia o trabalho de um bom sommelier é não menosprezar você ou vender o mais caro vinho possível, mas para encontrar um vinho que você quer para beber.

Ao escolher uma garrafa, o que é mais importante: gosto pessoal ou a culinária do restaurante?

GOSTO ABSOLUTAMENTE SEMPRE PESSOAL. PERÍODO.

Costumo receber perguntas como: O que há de bom no menu? Ou o que seria vocês bebida? Embora essas sejam perguntas muito charmosas, o vinho é extremamente subjetivo, e se você escolher cegamente a escolha do sommelier, você deve estar pronto para ter a mente aberta, caso contrário, você pode se dar mal.

Também é importante lembrar que combinar vinho com comida é um aspecto muito pequeno do prazer de beber vinho. Embora o vinho possa melhorar a experiência alimentar, ele também tem o mesmo peso em desvalorizar e arruinar a experiência.

Ninguém gosta de falar de dinheiro, mas não é essencial escolher uma garrafa? Alguma dica furtiva sobre como deixar um sommelier saber seu preço sem admitir na frente do seu par que você está quase falido?

Uma boa maneira sorrateira de fazer isso é pedir cerca de 3-4 garrafas de vinho da lista na faixa de preço que você está procurando e, em seguida, apontar para os vinhos sobre os quais está perguntando - mas apontar para o preço - e pedir “algo semelhante.” Ajuda fazer contato visual com o sommelier aqui. Um bom sommelier deve entender e ser um bom companheiro / mulher sem traí-lo.

Brincadeiras à parte, um bom sommelier sempre pedirá uma faixa de preço. Se a pergunta não for feita, seja proativo e sempre honesto e direto. Você realmente não precisa ser sorrateiro sobre isso.

Além disso, se seu namorado não gosta de você quando você está sem dinheiro, seu namorado com certeza não o merece quando você receber seu pagamento. Apenas dizendo.

Então, decidimos por uma garrafa, ou entre algumas opções. Que perguntas devo fazer para aprender mais sobre eles?

Minha abordagem pessoal com relação ao vinho é mais holística do que qualquer outra coisa. A única coisa que gosto mais, e que mais me ajuda a entender o vinho, é a história por trás das uvas e a pessoa por trás do vinho. Cada enólogo tem uma personalidade e faço o meu melhor para conhecê-los e conhecê-los. Tendo tido o luxo de ser da Europa e de ter trabalhado na França por 5 anos, você tem a chance de ser próximo e pessoal de muitos dos pequenos produtores de vinho. Na maioria das vezes, suas personalidades e filosofias são transferidas absolutamente para o produto final.

Saiba mais sobre vinhos de contato direto (também conhecidos como vinhos de laranja) aqui.

Quais são as suas perguntas favoritas dos clientes?

Todas as perguntas são ótimas. Eu realmente gosto de pessoas curiosas e dispostas a aprender. Qual é a diferença entre o vinho branco e o tinto? O que é "vinho de laranja"? O que o torna natural? Por que natural em vez de convencional? Eu amo discussões como essa. Acho que é importante para nós, sommeliers, agirmos como conduítes, guias ou tradutores, em vez de sermos percebidos como essa força de trabalho esnobe e rabugenta que está lá para rebaixá-lo. Podemos não saber tudo, mas faremos o possível para ajudá-lo.

Que perguntas você gostaria que mais clientes fizessem?

'Oi! Desculpe-me, na verdade não gostamos muito deste vinho, se importa se mudarmos para outra coisa?

Isso acontece com muita frequência. Ou os convidados cegos pedem uma garrafa de vinho e não gostam, ou eu recomendo um vinho que eles não gostam. Acontece. Mas o que sempre tento enfatizar, tanto para os funcionários quanto para os convidados, é que a vida é muito curta para sentar e jantar com um vinho que você não tem vontade de beber.

Tento abordar os convidados quando percebo que eles bebem devagar ou parece que não estão gostando, mas mesmo assim, é difícil para um cliente sentir que está fazendo uma reclamação que não quer incomodar. Mas um bom sommelier não julgará. Um bom sommelier vai entender.

Não há perguntas estúpidas, mas qual é a sua menos favorita?

_ Qual é o seu vinho favorito? _ Mesmo se eu tentasse, eu honestamente não poderia responder a isso.

Você deveria perguntar ao sommelier sobre seu signo astrológico, ou não?

Por que não? Gosto de uma boa conversa tanto quanto qualquer pessoa. Se parece certo e você está interessado, por que não?


Como obter o máximo do seu sommelier

PLOT TWIST: Não sou sommelier. Eu sei, todo mundo presume que eu sou ou era porque eu escrevo sobre vinho para viver, mas não. Mas isso não quer dizer que eu seja anti-somm. Eu sou 100 por cento anti-elitista-vinho-besteira, mas os dias de sommeliers corrigindo sua pronúncia de Borgonha com uma risada maliciosa ou tentando vender um troféu absurdamente caro para Cabernet são na maioria das vezes atrás de nós. Existem esnobes em todos os setores, então não posso prometer que você nunca vai conseguir um desses. A boa notícia é que a maioria dos sommeliers são pessoas totalmente legais que só querem te ajudar a escolher uma boa garrafa de vinho.

Isso não significa que falar com um sommelier seja fácil. Até eu fico nervosa às vezes, quando o sommelier está de pé em cima de mim e eu acabo com uma mistura vermelha aleatória de carvalho porque murmurei “Eu amo Arbois” e soou como “Eu amo armários”. Mas não tem que ser assim. Com um pouco de confiança e conversa, um breve encontro com um sommelier pode levar a uma garrafa que você adora - e a aprender algo novo também.

Martin Ho é um dos grandes sommeliers do mundo. Totalmente autodidata, Ho trabalhou como sommelier e gerente geral na Kødbyens Fiskebar em Copenhagen, bem como no Roseval e Tondo de Paris (agora fechado). O conhecimento de Ho sobre o vinho só é rivalizado por sua curiosidade, o que o mantém constantemente aprendendo, sendo humilde e relacionável com seus clientes. Adicione uma atitude positiva e um amor pelo vinho natural, e não há mais ninguém com quem gostaríamos de conversar.

Marissa Ross: Sommeliers podem ser intimidantes. Algum bom quebra-gelo ou palavras de sabedoria para acabar com a ansiedade?

Martin Ho: Eu acho um clássico: ‘Olá, gostaria de saber se você poderia nos ajudar a encontrar um vinho para esta noite?’ Ou ‘Estamos procurando um tinto / branco / rosé / (qualquer) para esta noite. Vocês podem me ajudar a encontrar um vinho?

Acho muito importante lembrar que embora haja um fator de intimidação pelo fato de um sommelier poder ter muito mais conhecimento do que você, no final do dia o trabalho de um bom sommelier é não menosprezar ou vender o mais caro vinho possível, mas para encontrar um vinho que você quer para beber.

Ao escolher uma garrafa, o que é mais importante: gosto pessoal ou cozinha do restaurante?

GOSTO ABSOLUTAMENTE SEMPRE PESSOAL. PERÍODO.

Costumo receber perguntas como: O que há de bom no menu? Ou o que seria vocês bebida? Embora essas sejam perguntas muito charmosas, o vinho é extremamente subjetivo, e se você escolher cegamente a escolha do sommelier, você deve estar pronto para ter a mente aberta, caso contrário, você pode se dar mal.

Também é importante lembrar que combinar vinho com comida é um aspecto muito pequeno do prazer de beber vinho. Embora o vinho possa melhorar a experiência alimentar, ele também tem o mesmo peso em desvalorizar e arruinar a experiência.

Ninguém gosta de falar de dinheiro, mas não é essencial escolher uma garrafa? Any sneaky tips on how to let a sommelier know your price point without admitting in front of your date you’re damn near broke?

A good sneaky way to go about it is to ask about 3-4 bottles of wine from the list at the price range you’re looking for and then point at the wines you are inquiring about—but point towards the price—and ask for ‘something similar.’ It helps to make eye contact with the sommelier here. A good sommelier should understand and be a good wingman/woman without selling you out.

But joking aside, a good sommelier will always ask you for a price point. If the question is not prompted, be proactive and always be honest and upfront. You don’t really need to be sneaky about it.

Also, if your date doesn’t like you when you’re broke, your date sure as hell doesn’t deserve you when you get your paycheck. Apenas dizendo.

So, we’ve decided on a bottle, or between a few options. What questions should I ask to learn more about them?

My personal approach to wine is more holistic than anything else. The one thing I enjoy the most, and that helps me understand the wine the most, is the story behind the grapes and the person behind the wine. Every winemaker has a personality and I do my best to know and meet them all. Having had the luxury of being from Europe and having worked in France for 5 years you get a chance to be close and personal with many of the small-scale winemakers. More often than not, their personalities and philosophies absolutely transfer over to the end product.

Find out more about skin-contact wines (aka orange wines) here.

What are your favorite questions to get from customers?

Any questions are great. I really enjoy people who are curious and willing to learn. What is the different between white and red wine? What is ‘orange wine?’ What makes it natural? Why natural over conventional? I love discussions like that. I think it is important for us sommeliers to act as conduits or guides or translators instead of being perceived as this snobby grumpy workforce that’s there to demean you. We may not know everything but we will try our best to help out for you.

What questions do you wish more customers asked?

‘Hi! Excuse me, we actually do not like this wine that much, mind if we switched that to something else?’

This happens so often. Either the guests blind orders a bottle of wine and they dislike it, or I recommend a wine they don’t like. Acontece. But what I always try to stress both for staff and for guests is that life is too short to sit through a dinner with a wine you don’t feel like drinking.

I try to approach guests when I notice they drink slowly or it looks like they’re not enjoying it, but even then, it is difficult for a customer to feel like they are making a complaint they don’t want to be troublesome. But a good sommelier will not judge. A good sommelier will understand.

There are no stupid questions, but which is your least favorite?

‘What’s your favorite wine?’ Even if I tried, I honestly couldn’t answer that.

Should you ask the sommelier about their astrological sign, or nah?

Por que não? I like a good conversation as much as the next person. If it feels right and you are interested, why not?


How to Get the Most Out of Your Sommelier

PLOT TWIST: I am not a sommelier. I know, everyone assumes I am or was because I write about wine for a living, but nope. That’s not to say I’m anti-somm though. I’m 100 percent anti-elitist-wine-bullshit, but the days of sommeliers correcting your pronunciation of Bourgogne with a snide laugh or trying to upsell you on an insanely priced trophy Cabernet are na maioria das vezes behind us. There are snobs in every industry, so I can’t promise you won’t ever get one of those. The good news is that most sommeliers are totally nice people who just want to help you pick out a good bottle of wine.

That doesn’t mean talking to a sommelier is easy. Even I get flustered sometimes, when the sommelier is standing over me and I end up with a random, super oaky red blend because I mumbled “I do love Arbois,” and it sounded like, “I do love armoires.” But it doesn’t have to be this way. With a little confidence and conversation, a brief encounter with a sommelier can lead to a bottle you love—and learning something new too.

Martin Ho is one of the world’s great sommeliers. Totally self-taught, Ho worked as sommelier and general manager at Kødbyens Fiskebar in Copenhagen, as well as in Paris’ Roseval and Tondo (now closed). Ho’s knowledge of wine is only rivaled by his curiosity of it, keeping him constantly learning, humble, and relatable to his customers. Add a positive attitude and a love for natural wine, and there’s no one else we’d rather be talking to.

Marissa Ross: Sommeliers can be intimidating. Any good icebreakers or words of wisdom to quell the anxiety?

Martin Ho: I think a classic: ‘Hi, I was wondering if you could help us find a wine for tonight?’ or ‘We are looking for a red/white/rosé/(whatever) for this evening. Can you guys maybe help me find a wine?’

I think it’s very important to remember while there is a factor of intimidation due to fact that a sommelier may have way more knowledge than you, at the end of the day a good sommelier’s job is not to belittle you or to sell you the most expensive wine possible, but to find a wine that you quer to drink.

When choosing a bottle, what’s more important: personal taste or the restaurant’s cuisine?

ABSOLUTELY ALWAYS PERSONAL TASTE. PERÍODO.

I often get questions such as: What is good with the menu? Or what would vocês drink? While those are very charming questions, wine is extremely subjective, and if you blindly go for the sommelier’s choice you should be ready to be open-minded, otherwise you could be in for a bad ride.

It is also important to remember that pairing wine with food is such a small aspect of the enjoyment of drinking wine. While wine can enhance the food experience it also carries the same weight in devaluing and ruining the experience.

No one likes talking about money, but isn’t it essential to choosing a bottle? Any sneaky tips on how to let a sommelier know your price point without admitting in front of your date you’re damn near broke?

A good sneaky way to go about it is to ask about 3-4 bottles of wine from the list at the price range you’re looking for and then point at the wines you are inquiring about—but point towards the price—and ask for ‘something similar.’ It helps to make eye contact with the sommelier here. A good sommelier should understand and be a good wingman/woman without selling you out.

But joking aside, a good sommelier will always ask you for a price point. If the question is not prompted, be proactive and always be honest and upfront. You don’t really need to be sneaky about it.

Also, if your date doesn’t like you when you’re broke, your date sure as hell doesn’t deserve you when you get your paycheck. Apenas dizendo.

So, we’ve decided on a bottle, or between a few options. What questions should I ask to learn more about them?

My personal approach to wine is more holistic than anything else. The one thing I enjoy the most, and that helps me understand the wine the most, is the story behind the grapes and the person behind the wine. Every winemaker has a personality and I do my best to know and meet them all. Having had the luxury of being from Europe and having worked in France for 5 years you get a chance to be close and personal with many of the small-scale winemakers. More often than not, their personalities and philosophies absolutely transfer over to the end product.

Find out more about skin-contact wines (aka orange wines) here.

What are your favorite questions to get from customers?

Any questions are great. I really enjoy people who are curious and willing to learn. What is the different between white and red wine? What is ‘orange wine?’ What makes it natural? Why natural over conventional? I love discussions like that. I think it is important for us sommeliers to act as conduits or guides or translators instead of being perceived as this snobby grumpy workforce that’s there to demean you. We may not know everything but we will try our best to help out for you.

What questions do you wish more customers asked?

‘Hi! Excuse me, we actually do not like this wine that much, mind if we switched that to something else?’

This happens so often. Either the guests blind orders a bottle of wine and they dislike it, or I recommend a wine they don’t like. Acontece. But what I always try to stress both for staff and for guests is that life is too short to sit through a dinner with a wine you don’t feel like drinking.

I try to approach guests when I notice they drink slowly or it looks like they’re not enjoying it, but even then, it is difficult for a customer to feel like they are making a complaint they don’t want to be troublesome. But a good sommelier will not judge. A good sommelier will understand.

There are no stupid questions, but which is your least favorite?

‘What’s your favorite wine?’ Even if I tried, I honestly couldn’t answer that.

Should you ask the sommelier about their astrological sign, or nah?

Por que não? I like a good conversation as much as the next person. If it feels right and you are interested, why not?


How to Get the Most Out of Your Sommelier

PLOT TWIST: I am not a sommelier. I know, everyone assumes I am or was because I write about wine for a living, but nope. That’s not to say I’m anti-somm though. I’m 100 percent anti-elitist-wine-bullshit, but the days of sommeliers correcting your pronunciation of Bourgogne with a snide laugh or trying to upsell you on an insanely priced trophy Cabernet are na maioria das vezes behind us. There are snobs in every industry, so I can’t promise you won’t ever get one of those. The good news is that most sommeliers are totally nice people who just want to help you pick out a good bottle of wine.

That doesn’t mean talking to a sommelier is easy. Even I get flustered sometimes, when the sommelier is standing over me and I end up with a random, super oaky red blend because I mumbled “I do love Arbois,” and it sounded like, “I do love armoires.” But it doesn’t have to be this way. With a little confidence and conversation, a brief encounter with a sommelier can lead to a bottle you love—and learning something new too.

Martin Ho is one of the world’s great sommeliers. Totally self-taught, Ho worked as sommelier and general manager at Kødbyens Fiskebar in Copenhagen, as well as in Paris’ Roseval and Tondo (now closed). Ho’s knowledge of wine is only rivaled by his curiosity of it, keeping him constantly learning, humble, and relatable to his customers. Add a positive attitude and a love for natural wine, and there’s no one else we’d rather be talking to.

Marissa Ross: Sommeliers can be intimidating. Any good icebreakers or words of wisdom to quell the anxiety?

Martin Ho: I think a classic: ‘Hi, I was wondering if you could help us find a wine for tonight?’ or ‘We are looking for a red/white/rosé/(whatever) for this evening. Can you guys maybe help me find a wine?’

I think it’s very important to remember while there is a factor of intimidation due to fact that a sommelier may have way more knowledge than you, at the end of the day a good sommelier’s job is not to belittle you or to sell you the most expensive wine possible, but to find a wine that you quer to drink.

When choosing a bottle, what’s more important: personal taste or the restaurant’s cuisine?

ABSOLUTELY ALWAYS PERSONAL TASTE. PERÍODO.

I often get questions such as: What is good with the menu? Or what would vocês drink? While those are very charming questions, wine is extremely subjective, and if you blindly go for the sommelier’s choice you should be ready to be open-minded, otherwise you could be in for a bad ride.

It is also important to remember that pairing wine with food is such a small aspect of the enjoyment of drinking wine. While wine can enhance the food experience it also carries the same weight in devaluing and ruining the experience.

No one likes talking about money, but isn’t it essential to choosing a bottle? Any sneaky tips on how to let a sommelier know your price point without admitting in front of your date you’re damn near broke?

A good sneaky way to go about it is to ask about 3-4 bottles of wine from the list at the price range you’re looking for and then point at the wines you are inquiring about—but point towards the price—and ask for ‘something similar.’ It helps to make eye contact with the sommelier here. A good sommelier should understand and be a good wingman/woman without selling you out.

But joking aside, a good sommelier will always ask you for a price point. If the question is not prompted, be proactive and always be honest and upfront. You don’t really need to be sneaky about it.

Also, if your date doesn’t like you when you’re broke, your date sure as hell doesn’t deserve you when you get your paycheck. Apenas dizendo.

So, we’ve decided on a bottle, or between a few options. What questions should I ask to learn more about them?

My personal approach to wine is more holistic than anything else. The one thing I enjoy the most, and that helps me understand the wine the most, is the story behind the grapes and the person behind the wine. Every winemaker has a personality and I do my best to know and meet them all. Having had the luxury of being from Europe and having worked in France for 5 years you get a chance to be close and personal with many of the small-scale winemakers. More often than not, their personalities and philosophies absolutely transfer over to the end product.

Find out more about skin-contact wines (aka orange wines) here.

What are your favorite questions to get from customers?

Any questions are great. I really enjoy people who are curious and willing to learn. What is the different between white and red wine? What is ‘orange wine?’ What makes it natural? Why natural over conventional? I love discussions like that. I think it is important for us sommeliers to act as conduits or guides or translators instead of being perceived as this snobby grumpy workforce that’s there to demean you. We may not know everything but we will try our best to help out for you.

What questions do you wish more customers asked?

‘Hi! Excuse me, we actually do not like this wine that much, mind if we switched that to something else?’

This happens so often. Either the guests blind orders a bottle of wine and they dislike it, or I recommend a wine they don’t like. Acontece. But what I always try to stress both for staff and for guests is that life is too short to sit through a dinner with a wine you don’t feel like drinking.

I try to approach guests when I notice they drink slowly or it looks like they’re not enjoying it, but even then, it is difficult for a customer to feel like they are making a complaint they don’t want to be troublesome. But a good sommelier will not judge. A good sommelier will understand.

There are no stupid questions, but which is your least favorite?

‘What’s your favorite wine?’ Even if I tried, I honestly couldn’t answer that.

Should you ask the sommelier about their astrological sign, or nah?

Por que não? I like a good conversation as much as the next person. If it feels right and you are interested, why not?


How to Get the Most Out of Your Sommelier

PLOT TWIST: I am not a sommelier. I know, everyone assumes I am or was because I write about wine for a living, but nope. That’s not to say I’m anti-somm though. I’m 100 percent anti-elitist-wine-bullshit, but the days of sommeliers correcting your pronunciation of Bourgogne with a snide laugh or trying to upsell you on an insanely priced trophy Cabernet are na maioria das vezes behind us. There are snobs in every industry, so I can’t promise you won’t ever get one of those. The good news is that most sommeliers are totally nice people who just want to help you pick out a good bottle of wine.

That doesn’t mean talking to a sommelier is easy. Even I get flustered sometimes, when the sommelier is standing over me and I end up with a random, super oaky red blend because I mumbled “I do love Arbois,” and it sounded like, “I do love armoires.” But it doesn’t have to be this way. With a little confidence and conversation, a brief encounter with a sommelier can lead to a bottle you love—and learning something new too.

Martin Ho is one of the world’s great sommeliers. Totally self-taught, Ho worked as sommelier and general manager at Kødbyens Fiskebar in Copenhagen, as well as in Paris’ Roseval and Tondo (now closed). Ho’s knowledge of wine is only rivaled by his curiosity of it, keeping him constantly learning, humble, and relatable to his customers. Add a positive attitude and a love for natural wine, and there’s no one else we’d rather be talking to.

Marissa Ross: Sommeliers can be intimidating. Any good icebreakers or words of wisdom to quell the anxiety?

Martin Ho: I think a classic: ‘Hi, I was wondering if you could help us find a wine for tonight?’ or ‘We are looking for a red/white/rosé/(whatever) for this evening. Can you guys maybe help me find a wine?’

I think it’s very important to remember while there is a factor of intimidation due to fact that a sommelier may have way more knowledge than you, at the end of the day a good sommelier’s job is not to belittle you or to sell you the most expensive wine possible, but to find a wine that you quer to drink.

When choosing a bottle, what’s more important: personal taste or the restaurant’s cuisine?

ABSOLUTELY ALWAYS PERSONAL TASTE. PERÍODO.

I often get questions such as: What is good with the menu? Or what would vocês drink? While those are very charming questions, wine is extremely subjective, and if you blindly go for the sommelier’s choice you should be ready to be open-minded, otherwise you could be in for a bad ride.

It is also important to remember that pairing wine with food is such a small aspect of the enjoyment of drinking wine. While wine can enhance the food experience it also carries the same weight in devaluing and ruining the experience.

No one likes talking about money, but isn’t it essential to choosing a bottle? Any sneaky tips on how to let a sommelier know your price point without admitting in front of your date you’re damn near broke?

A good sneaky way to go about it is to ask about 3-4 bottles of wine from the list at the price range you’re looking for and then point at the wines you are inquiring about—but point towards the price—and ask for ‘something similar.’ It helps to make eye contact with the sommelier here. A good sommelier should understand and be a good wingman/woman without selling you out.

But joking aside, a good sommelier will always ask you for a price point. If the question is not prompted, be proactive and always be honest and upfront. You don’t really need to be sneaky about it.

Also, if your date doesn’t like you when you’re broke, your date sure as hell doesn’t deserve you when you get your paycheck. Apenas dizendo.

So, we’ve decided on a bottle, or between a few options. What questions should I ask to learn more about them?

My personal approach to wine is more holistic than anything else. The one thing I enjoy the most, and that helps me understand the wine the most, is the story behind the grapes and the person behind the wine. Every winemaker has a personality and I do my best to know and meet them all. Having had the luxury of being from Europe and having worked in France for 5 years you get a chance to be close and personal with many of the small-scale winemakers. More often than not, their personalities and philosophies absolutely transfer over to the end product.

Find out more about skin-contact wines (aka orange wines) here.

What are your favorite questions to get from customers?

Any questions are great. I really enjoy people who are curious and willing to learn. What is the different between white and red wine? What is ‘orange wine?’ What makes it natural? Why natural over conventional? I love discussions like that. I think it is important for us sommeliers to act as conduits or guides or translators instead of being perceived as this snobby grumpy workforce that’s there to demean you. We may not know everything but we will try our best to help out for you.

What questions do you wish more customers asked?

‘Hi! Excuse me, we actually do not like this wine that much, mind if we switched that to something else?’

This happens so often. Either the guests blind orders a bottle of wine and they dislike it, or I recommend a wine they don’t like. Acontece. But what I always try to stress both for staff and for guests is that life is too short to sit through a dinner with a wine you don’t feel like drinking.

I try to approach guests when I notice they drink slowly or it looks like they’re not enjoying it, but even then, it is difficult for a customer to feel like they are making a complaint they don’t want to be troublesome. But a good sommelier will not judge. A good sommelier will understand.

There are no stupid questions, but which is your least favorite?

‘What’s your favorite wine?’ Even if I tried, I honestly couldn’t answer that.

Should you ask the sommelier about their astrological sign, or nah?

Por que não? I like a good conversation as much as the next person. If it feels right and you are interested, why not?


How to Get the Most Out of Your Sommelier

PLOT TWIST: I am not a sommelier. I know, everyone assumes I am or was because I write about wine for a living, but nope. That’s not to say I’m anti-somm though. I’m 100 percent anti-elitist-wine-bullshit, but the days of sommeliers correcting your pronunciation of Bourgogne with a snide laugh or trying to upsell you on an insanely priced trophy Cabernet are na maioria das vezes behind us. There are snobs in every industry, so I can’t promise you won’t ever get one of those. The good news is that most sommeliers are totally nice people who just want to help you pick out a good bottle of wine.

That doesn’t mean talking to a sommelier is easy. Even I get flustered sometimes, when the sommelier is standing over me and I end up with a random, super oaky red blend because I mumbled “I do love Arbois,” and it sounded like, “I do love armoires.” But it doesn’t have to be this way. With a little confidence and conversation, a brief encounter with a sommelier can lead to a bottle you love—and learning something new too.

Martin Ho is one of the world’s great sommeliers. Totally self-taught, Ho worked as sommelier and general manager at Kødbyens Fiskebar in Copenhagen, as well as in Paris’ Roseval and Tondo (now closed). Ho’s knowledge of wine is only rivaled by his curiosity of it, keeping him constantly learning, humble, and relatable to his customers. Add a positive attitude and a love for natural wine, and there’s no one else we’d rather be talking to.

Marissa Ross: Sommeliers can be intimidating. Any good icebreakers or words of wisdom to quell the anxiety?

Martin Ho: I think a classic: ‘Hi, I was wondering if you could help us find a wine for tonight?’ or ‘We are looking for a red/white/rosé/(whatever) for this evening. Can you guys maybe help me find a wine?’

I think it’s very important to remember while there is a factor of intimidation due to fact that a sommelier may have way more knowledge than you, at the end of the day a good sommelier’s job is not to belittle you or to sell you the most expensive wine possible, but to find a wine that you quer to drink.

When choosing a bottle, what’s more important: personal taste or the restaurant’s cuisine?

ABSOLUTELY ALWAYS PERSONAL TASTE. PERÍODO.

I often get questions such as: What is good with the menu? Or what would vocês drink? While those are very charming questions, wine is extremely subjective, and if you blindly go for the sommelier’s choice you should be ready to be open-minded, otherwise you could be in for a bad ride.

It is also important to remember that pairing wine with food is such a small aspect of the enjoyment of drinking wine. While wine can enhance the food experience it also carries the same weight in devaluing and ruining the experience.

No one likes talking about money, but isn’t it essential to choosing a bottle? Any sneaky tips on how to let a sommelier know your price point without admitting in front of your date you’re damn near broke?

A good sneaky way to go about it is to ask about 3-4 bottles of wine from the list at the price range you’re looking for and then point at the wines you are inquiring about—but point towards the price—and ask for ‘something similar.’ It helps to make eye contact with the sommelier here. A good sommelier should understand and be a good wingman/woman without selling you out.

But joking aside, a good sommelier will always ask you for a price point. If the question is not prompted, be proactive and always be honest and upfront. You don’t really need to be sneaky about it.

Also, if your date doesn’t like you when you’re broke, your date sure as hell doesn’t deserve you when you get your paycheck. Apenas dizendo.

So, we’ve decided on a bottle, or between a few options. What questions should I ask to learn more about them?

My personal approach to wine is more holistic than anything else. The one thing I enjoy the most, and that helps me understand the wine the most, is the story behind the grapes and the person behind the wine. Every winemaker has a personality and I do my best to know and meet them all. Having had the luxury of being from Europe and having worked in France for 5 years you get a chance to be close and personal with many of the small-scale winemakers. More often than not, their personalities and philosophies absolutely transfer over to the end product.

Find out more about skin-contact wines (aka orange wines) here.

What are your favorite questions to get from customers?

Any questions are great. I really enjoy people who are curious and willing to learn. What is the different between white and red wine? What is ‘orange wine?’ What makes it natural? Why natural over conventional? I love discussions like that. I think it is important for us sommeliers to act as conduits or guides or translators instead of being perceived as this snobby grumpy workforce that’s there to demean you. We may not know everything but we will try our best to help out for you.

What questions do you wish more customers asked?

‘Hi! Excuse me, we actually do not like this wine that much, mind if we switched that to something else?’

This happens so often. Either the guests blind orders a bottle of wine and they dislike it, or I recommend a wine they don’t like. Acontece. But what I always try to stress both for staff and for guests is that life is too short to sit through a dinner with a wine you don’t feel like drinking.

I try to approach guests when I notice they drink slowly or it looks like they’re not enjoying it, but even then, it is difficult for a customer to feel like they are making a complaint they don’t want to be troublesome. But a good sommelier will not judge. A good sommelier will understand.

There are no stupid questions, but which is your least favorite?

‘What’s your favorite wine?’ Even if I tried, I honestly couldn’t answer that.

Should you ask the sommelier about their astrological sign, or nah?

Por que não? I like a good conversation as much as the next person. If it feels right and you are interested, why not?


How to Get the Most Out of Your Sommelier

PLOT TWIST: I am not a sommelier. I know, everyone assumes I am or was because I write about wine for a living, but nope. That’s not to say I’m anti-somm though. I’m 100 percent anti-elitist-wine-bullshit, but the days of sommeliers correcting your pronunciation of Bourgogne with a snide laugh or trying to upsell you on an insanely priced trophy Cabernet are na maioria das vezes behind us. There are snobs in every industry, so I can’t promise you won’t ever get one of those. The good news is that most sommeliers are totally nice people who just want to help you pick out a good bottle of wine.

That doesn’t mean talking to a sommelier is easy. Even I get flustered sometimes, when the sommelier is standing over me and I end up with a random, super oaky red blend because I mumbled “I do love Arbois,” and it sounded like, “I do love armoires.” But it doesn’t have to be this way. With a little confidence and conversation, a brief encounter with a sommelier can lead to a bottle you love—and learning something new too.

Martin Ho is one of the world’s great sommeliers. Totally self-taught, Ho worked as sommelier and general manager at Kødbyens Fiskebar in Copenhagen, as well as in Paris’ Roseval and Tondo (now closed). Ho’s knowledge of wine is only rivaled by his curiosity of it, keeping him constantly learning, humble, and relatable to his customers. Add a positive attitude and a love for natural wine, and there’s no one else we’d rather be talking to.

Marissa Ross: Sommeliers can be intimidating. Any good icebreakers or words of wisdom to quell the anxiety?

Martin Ho: I think a classic: ‘Hi, I was wondering if you could help us find a wine for tonight?’ or ‘We are looking for a red/white/rosé/(whatever) for this evening. Can you guys maybe help me find a wine?’

I think it’s very important to remember while there is a factor of intimidation due to fact that a sommelier may have way more knowledge than you, at the end of the day a good sommelier’s job is not to belittle you or to sell you the most expensive wine possible, but to find a wine that you quer to drink.

When choosing a bottle, what’s more important: personal taste or the restaurant’s cuisine?

ABSOLUTELY ALWAYS PERSONAL TASTE. PERÍODO.

I often get questions such as: What is good with the menu? Or what would vocês drink? While those are very charming questions, wine is extremely subjective, and if you blindly go for the sommelier’s choice you should be ready to be open-minded, otherwise you could be in for a bad ride.

It is also important to remember that pairing wine with food is such a small aspect of the enjoyment of drinking wine. While wine can enhance the food experience it also carries the same weight in devaluing and ruining the experience.

No one likes talking about money, but isn’t it essential to choosing a bottle? Any sneaky tips on how to let a sommelier know your price point without admitting in front of your date you’re damn near broke?

A good sneaky way to go about it is to ask about 3-4 bottles of wine from the list at the price range you’re looking for and then point at the wines you are inquiring about—but point towards the price—and ask for ‘something similar.’ It helps to make eye contact with the sommelier here. A good sommelier should understand and be a good wingman/woman without selling you out.

But joking aside, a good sommelier will always ask you for a price point. If the question is not prompted, be proactive and always be honest and upfront. You don’t really need to be sneaky about it.

Also, if your date doesn’t like you when you’re broke, your date sure as hell doesn’t deserve you when you get your paycheck. Apenas dizendo.

So, we’ve decided on a bottle, or between a few options. What questions should I ask to learn more about them?

My personal approach to wine is more holistic than anything else. The one thing I enjoy the most, and that helps me understand the wine the most, is the story behind the grapes and the person behind the wine. Every winemaker has a personality and I do my best to know and meet them all. Having had the luxury of being from Europe and having worked in France for 5 years you get a chance to be close and personal with many of the small-scale winemakers. More often than not, their personalities and philosophies absolutely transfer over to the end product.

Find out more about skin-contact wines (aka orange wines) here.

What are your favorite questions to get from customers?

Any questions are great. I really enjoy people who are curious and willing to learn. What is the different between white and red wine? What is ‘orange wine?’ What makes it natural? Why natural over conventional? I love discussions like that. I think it is important for us sommeliers to act as conduits or guides or translators instead of being perceived as this snobby grumpy workforce that’s there to demean you. We may not know everything but we will try our best to help out for you.

What questions do you wish more customers asked?

‘Hi! Excuse me, we actually do not like this wine that much, mind if we switched that to something else?’

This happens so often. Either the guests blind orders a bottle of wine and they dislike it, or I recommend a wine they don’t like. Acontece. But what I always try to stress both for staff and for guests is that life is too short to sit through a dinner with a wine you don’t feel like drinking.

I try to approach guests when I notice they drink slowly or it looks like they’re not enjoying it, but even then, it is difficult for a customer to feel like they are making a complaint they don’t want to be troublesome. But a good sommelier will not judge. A good sommelier will understand.

There are no stupid questions, but which is your least favorite?

‘What’s your favorite wine?’ Even if I tried, I honestly couldn’t answer that.

Should you ask the sommelier about their astrological sign, or nah?

Por que não? I like a good conversation as much as the next person. If it feels right and you are interested, why not?